Inflação desacelera para todas as faixas de renda em novembro

Maiores altas no acumulado do ano ocorreram entre as famílias de renda média-baixa e renda média

O Indicador de Inflação por Faixa de Renda referente a novembro registrou desaceleração inflacionária para todas as faixas de renda. Divulgada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) nesta quarta-feira (15/12), a análise revelou que, enquanto a inflação do segmento de renda mais baixa passou de 1,35% em outubro para 0,65% em novembro, a das famílias de renda média e média-alta caiu menos, de 1,1% para 1,08%.

O acumulado do ano mostra que as maiores pressões inflacionárias ficaram com as famílias de renda média-baixa (rendimentos mensais de R$ 2.702,88 a R$ 4.506,47) e renda média (rendimentos entre R$ 4.506,47 e R$ 8.956,26). As variações acumuladas para esses segmentos foram de 9,6% e 9,5%, respectivamente. Apesar da desaceleração em novembro, a inflação acumulada em 12 meses para as famílias que recebem menos de R$ 1.808,79 chegou a 11% e ficou em um patamar superior ao das famílias que ganham mais de R$ 17.764,49 (9,7%).

Os grupos “transporte” e “habitação” foram os que mais contribuíram para a alta inflacionária das famílias de todas as faixas de renda. Os reajustes da gasolina (7,4%), do etanol (10,5%), das tarifas de ônibus interestadual (1,6%) e dos transportes por aplicativo (6,8%), além da variação nos preços dos automóveis novos (2,4%) e usados (2,4%), explicam o impacto provocado pelo primeiro grupo. Os principais pontos de pressão inflacionária no grupo “habitação” foram as altas da energia elétrica (1,2%), do gás de botijão (2,1%) e do gás encanado (2,0%), além dos aluguéis (0,84%) e condomínios (0,95%).

Para as famílias de renda mais elevada, enquanto parte do impacto inflacionário dos transportes foi amenizada pelas quedas de 6,1% das passagens aéreas e de 1,8% do aluguel de veículos no segmento de transportes, a alta dos serviços pessoais e de recreação, como hospedagem (2,6%) e pacote turístico (2,3%), contribuíram para a inflação em novembro.

As quedas nos preços de itens importantes na cesta de consumo, como cereais (-3,2%), carnes (-1,4%) e leite e derivados (-1,5%) explicam como o segmento “alimentos e bebidas” colaborou para aliviar a inflação das famílias de renda mais baixa. De modo semelhante, a deflação de 3,0% dos artigos de higiene pessoal ajudou a reduzir a pressão inflacionária em todos os segmentos de renda.

A inflação de novembro ficou abaixo da registrada no mesmo mês de 2020 para as duas faixas de menor renda e avançou para os demais segmentos. Para as famílias de renda mais baixa, esse alívio em 2021 ocorre, principalmente, por causa da melhora no desempenho dos preços dos alimentos — em novembro de 2020, houve altas expressivas dos cereais (4,9%), tubérculos (16,2%), carnes (6,5%) e óleos e gorduras (6,5%). Por outro lado, os reajustes mais modestos da gasolina (1,6%), do óleo diesel (1,6%) e dos automóveis novos (1,1%), além da queda dos produtos de informática (-1,0%) e dos gastos com hospedagem (-0,4%) em 2020, comparativamente ao registrado neste ano, explicam essa piora da inflação corrente para as famílias de renda mais alta.

Os dados acumulados nos últimos 12 meses já revelam uma leve desaceleração da inflação para as faixas de renda mais baixa. Em contrapartida, as curvas inflacionárias dos segmentos de maior renda seguem em trajetória de elevação. Enquanto os reajustes da energia elétrica (31,9%) e do gás de botijão (38,9%), aliados à alta dos alimentos no domicílio (9,7%), explicam o comportamento da inflação em 12 meses para as classes de menor renda, os aumentos dos combustíveis (52,8%), das passagens aéreas (36,6%) e dos serviços de recreação (8,6%) contribuíram fortemente para a pressão inflacionária nas faixas de renda mais alta.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Nunca perca nenhuma notícia importante. Assine a nossa newsletter.

NOSSOS PARCEIROS

Notícias Relacionadas

Notícias Relacionadas

Últimas Notícias

Revista OvoSite

Últimas Notícias

Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data
AviSite
PecSite
SuiSite

Revista OvoSite

CONFIRA OS DESTAQUES DA NOSSA ULTIMA EDIÇÃO

boi (1)

Ministério da Agricultura suspende vacinação contra a Febre Aftosa em seis estados e no DF a partir de novembro de 2022

A ação faz parte do projeto de tornar todo o país livre de febre aftosa sem vacinação até 2026. Página 20.

rp-1

Sistema de Gestão e Mobilidade à frente da Agroindústria 4.0

A transformação digital através de Sistemas de Gestão tem sido essencial para alavancar todos os negócios relacionados à agroindústria. Página 22.

 

 

rp2

Pesquisa auxilia na identificação de genes relacionados à resistência à babesiose bovina

O rápido diagnóstico sobre quais parasitos atacam os animais auxilia o criador a identificar o tipo de agente logo no início dos sintomas. Página 27.

rp3

Uso de tecnologias na pecuária contribui para reduzir metano e diminuir impacto no clima

Em 2021, durante a 26ª Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas (ONU), a COP26, o Brasil assumiu o compromisso de reduzir 30% das emissões de metano até 2030. Página 40.

boi (6)

Estudo demonstra impactos socioeconômicos da recuperação de pastagens pelo Plano ABC

Além da mitigação de emissões, a tecnologia permitiu o aumento da renda do produtor rural e da produtividade nas pecuárias de corte e de leite. Página 36.

rp5

O condomínio de Produtores Rurais: As peculiaridades e os riscos assumidos

O agronegócio é uma potência no PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro, sendo o único setor que continuou em crescimento durante a pandemia. Página 44.

rp6

Contrato a Termo: Conab lança modalidade de leilão para abastecer pecuaristas

Contrato a Termo: Conab lança modalidade de leilão para abastecer pecuaristas

O novo sistema pode ser usado tanto para garantir um preço fixo na compra com entrega futura quanto para assegurar a fixação de preços de acordo com termos pré-definidos em edital. Página 48.

rp7

Qualidade da água e sua influência no sucesso da pecuária

Elemento fundamental para a vida dos seres vivos, a água é um componente muito importante para a boa performance e para a saúde do rebanho. Página 30.

Fale agora no WhatsApp