RS alerta para aumento nos focos de raiva herbívora em 2022

Responsável pelo programa de controle da doença diz que mudanças no clima provocam migrações de animais, o que pode aumentar o número de focos

O Rio Grande do Sul registrou 32 focos de raiva herbívora em 16 municípios de janeiro até a primeira semana de maio deste ano. Em 2021, neste mesmo período, foram nove focos em sete municípios. As áreas de maior concentração são a Fronteira Oeste e a Região Metropolitana.

“As questões climáticas registradas no Rio Grande do Sul nos últimos meses, como a seca num primeiro momento e agora as enchentes, causam um grande estresse nas colônias, gerando maiores migrações de animais e aumentando o número de focos. Pela nossa experiência ao longo dos anos, a chegada do inverno vai aumentar o número de casos”, alerta o coordenador do Programa de Controle da Raiva Herbívora da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), Wilson Hoffmeister.

O coordenador reforça a importância da participação dos produtores neste controle dos focos, fazendo a notificação dos casos de agressão de morcegos nos animais diretamente nas inspetorias e escritórios de Defesa agropecuária, da Secretaria da Agricultura, além de auxiliar na identificação dos refúgios nas suas propriedades e fazer a vacinação ou revacinação dos seus animais.

Municípios com casos registrados em 2022: Bossoroca, Caçapava do Sul, Caiçara, Candiota, Cerro Grande do Sul, Eldorado do Sul, Glorinha, Gravataí, Itacurubi, Novo Hamburgo, Santa Margarida do Sul, Santo Antônio das Missões, Santiago, São Lourenço do Sul, Unistalda e Vespasiano Corrêa.

Em 2021, foram registrados 48 focos de raiva herbívora em 31 municípios, a maioria de bovinos, sendo apenas um caso de ovino e um de equino.

Controle da raiva herbívora

O controle da raiva herbívora está fundamentado em três medidas, que devem ser adotadas de forma sistemática: a vacinação, para que os animais tenham anticorpos para se defender da doença; a identificação de refúgios e o controle populacional do morcego hematófago Desmodus rotundus (principal transmissor desta enfermidade), feito pela equipe especializada da Secretaria da Agricultura por meio da captura dos animais. Mais informações sobre os cuidados com a doença podem ser consultadas no site da Secretaria da Agricultura do estado.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Revista PecSite

NOSSOS PARCEIROS

Notícias Relacionadas

Notícias Relacionadas

Últimas Notícias

Últimas Notícias

Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data
AviSite
PecSite
SuiSite

Revista AviSite

CONFIRA OS DESTAQUES DA NOSSA ULTIMA EDIÇÃO

pecsite1

Soluções da Agrosys garantem maior produtividade para fábricas de ração

Com 25 anos de experiência, a empresa fornece soluções tecnológicas de gestão integrada para toda a cadeia agroindustrial. Página 16.

pecsite2

Rio Grande do Sul: novo período para Declaração Anual de Rebanho é necessário para modernizar sistema

Agora a declaração deverá ser feita de 1º de junho a 31 de outubro. Página 20.
pecsite3

ENTREVISTA: Juliano Sabella é o novo presidente da ASBRAM

Novo presidente para o biênio 2022/2023 já compôs a mesa diretora da associação por duas vezes. Tem agora a missão de alinhar o crescimento do setor com uma nova demanda mundial por produtos sustentáveis. Página 22.

carne (3)

Exportações brasileiras de carne bovina encerram 2021 com alta de 9% em receita e queda de 7% em volume

De acordo com a Abrafrigo, país movimentou 1,867 milhão de toneladas em 2021, diante de 2,016 milhões de toneladas em 2020, ano de recorde na exportação. Página 26.

pecsite4

Pecuária assertiva: Mais pasto e menos cocho!

A pecuária brasileira enfrenta hoje um grande desafio, que é manter seus sistemas cada vez mais produtivos sem abrir novas áreas.Página 30.
pecsite5

Período das águas influencia no aumento da infestação de carrapatos

Tratar os animais, assim como as infestações em pasto, de forma planejada é a melhor forma de reduzir o problema. Página 32.
pecsite6

Fazendas da cadeia da carne que adotam tecnologias sustentáveis sequestraram mais carbono do que emitiram

Aumenta a demanda dos consumidores e mercados sobre a sustentabilidade das cadeias produtivas de alimentos e o interesse dos produtores na adoção de práticas sustentáveis. Página 36.
boi

Estratégias para mitigação do estresse em bovinos recém-chegados em confinamento após transporte

Entre os benefícios está o aumento da eficiência produtiva, através do atendimento de exigências nutricionais para alto ganho em carcaça com dietas balanceadas e o uso de aditivos. Página 40.