Preço interno de alimentos não deve sofrer grandes mudanças

Duvido que encontrem produtos mais baratos fora do Brasil, afirma economista

A retirada temporária das tarifas de importação deverá ter efeito limitado sobre os preços internos de alimentos, como carnes bovina e de frango, milho e farinha de trigo. Já adotada em ocasiões recentes, a desoneração não tem poder para gerar um salto nas compras externas desses produtos a ponto de afetar a rentabilidade e de tirar a tranquilidade dos produtores nacionais de grãos e proteínas.

A Associação Brasileira das Indústrias de Trigo (Abitrigo) espera que a isenção na importação do cereal ajude a equilibrar o mercado, desorganizado devido à guerra entre Rússia e Ucrânia. Anualmente, uma cota de 750 mil toneladas já tem a entrada isenta no país. Agora, todo o volume importado em 2022 terá a tarifa zerada a pedido da entidade.

O Brasil deve importar 6 milhões de toneladas de trigo neste ano, mas grande parte vem da Argentina, cuja operação já é isenta. A desoneração da TEC, no entanto, abre possibilidades para buscar o produto em outras partes do mundo em momento de competição acirrada. “Temos que buscar o trigo. A competição está muito forte no mundo todo, até o Brasil está exportando trigo. Precisamos buscar no Canadá, nos Estados Unidos, na Europa”, disse ao Valor o embaixador Rubens Barbosa, presidente da Abitrigo.

“Não é uma questão de abastecimento, tem trigo sobrando, mas o preço está alto”, acrescentou. O país importa 60% do trigo que consome. O executivo disse que a medida vai ajudar a conter a “alta brutal“ do trigo no mercado mundial e será benéfica aos importadores brasileiros. “Isso ajuda a diminuir a carga do preço sobre os moinhos. Esses 9% da tarifa seriam acrescidos ao preço internacional, que já é elevado.”

Segundo o embaixador, os moinhos brasileiros são competitivos e não se opõem à isenção aprovada para a importação de farinha de trigo. Mas há dúvida se o preço dos produtos como o pão francês aos consumidores finais vai diminuir. “Vai depender das panificadoras e empresas de massas e biscoitos.”

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) disse que sempre defendeu o livre-comércio e que recebeu com tranquilidade a informação sobre a suspensão da cobrança da Tarifa Externa Comum (TEC) para produtos como miúdos e pedaços de carnes de frango. A entidade alertou, porém, que a alta dos preços das carnes de aves se deve ao “repasse inevitável” do aumento do custo com insumos ao longo da cadeia, como milho, soja e diesel, além do quadro de baixa oferta mundial desses alimentos, questões que “demandam ações imediatas por parte do governo”.

O diretor-executivo da Associação Brasileira dos Produtores de Milho (Abramilho), Glauber Silveira, entende a “decisão política tomada” pelo governo de estender até o fim do ano a isenção para importação do cereal. Segundo ele, a medida – que já estava em vigor – não surtiu efeito sobre os preços internos antes e não deverá impactar agora. Ele aproveitou para cobrar mais incentivos para ampliação da produção nacional do grão.

Para o economista-chefe da Federação da Agricultura no Rio Grande do Sul, Antônio da Luz, os efeitos da retirada da TEC serão “muito pequenos” ou nulos. “Eu duvido que encontrem alimentos mais baratos fora do Brasil”, disse.

Já a redução do imposto para importação do Mancozebe, fungicida mais utilizado nas lavouras do país, pode gerar algum alívio nos custos de produção. Em 2020, foram vendidas 50,5 mil toneladas do defensivo. Silvia Fagnani, sócia-diretora da ThinkBrasil Diplomacia Corporativa, disse que a medida deve garantir maior produção no Brasil do defensivo formulado a partir do Mancozebe e maior competitividade para produtos técnicos fabricados em países sem acordo comercial com o Brasil, como a Índia. “É uma medida paliativa importante para entendermos como o mercado reagirá”, disse.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Revista PecSite

NOSSOS PARCEIROS

Notícias Relacionadas

Notícias Relacionadas

Últimas Notícias

Últimas Notícias

Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data
AviSite
PecSite
SuiSite

Revista AviSite

CONFIRA OS DESTAQUES DA NOSSA ULTIMA EDIÇÃO

pecsite1

Soluções da Agrosys garantem maior produtividade para fábricas de ração

Com 25 anos de experiência, a empresa fornece soluções tecnológicas de gestão integrada para toda a cadeia agroindustrial. Página 16.

pecsite2

Rio Grande do Sul: novo período para Declaração Anual de Rebanho é necessário para modernizar sistema

Agora a declaração deverá ser feita de 1º de junho a 31 de outubro. Página 20.
pecsite3

ENTREVISTA: Juliano Sabella é o novo presidente da ASBRAM

Novo presidente para o biênio 2022/2023 já compôs a mesa diretora da associação por duas vezes. Tem agora a missão de alinhar o crescimento do setor com uma nova demanda mundial por produtos sustentáveis. Página 22.

carne (3)

Exportações brasileiras de carne bovina encerram 2021 com alta de 9% em receita e queda de 7% em volume

De acordo com a Abrafrigo, país movimentou 1,867 milhão de toneladas em 2021, diante de 2,016 milhões de toneladas em 2020, ano de recorde na exportação. Página 26.

pecsite4

Pecuária assertiva: Mais pasto e menos cocho!

A pecuária brasileira enfrenta hoje um grande desafio, que é manter seus sistemas cada vez mais produtivos sem abrir novas áreas.Página 30.
pecsite5

Período das águas influencia no aumento da infestação de carrapatos

Tratar os animais, assim como as infestações em pasto, de forma planejada é a melhor forma de reduzir o problema. Página 32.
pecsite6

Fazendas da cadeia da carne que adotam tecnologias sustentáveis sequestraram mais carbono do que emitiram

Aumenta a demanda dos consumidores e mercados sobre a sustentabilidade das cadeias produtivas de alimentos e o interesse dos produtores na adoção de práticas sustentáveis. Página 36.
boi

Estratégias para mitigação do estresse em bovinos recém-chegados em confinamento após transporte

Entre os benefícios está o aumento da eficiência produtiva, através do atendimento de exigências nutricionais para alto ganho em carcaça com dietas balanceadas e o uso de aditivos. Página 40.